Som, sim! Barulho, não!

Na tentativa de combater a poluição sonora aqui em Pernambuco, o Ministério Público lançou ontem a campanha Som, Sim! Barulho, Não!. A campanha que tem divulgação na TV, em jornais, outdoors e emissoras de rádio, está oferecendo recompensas de até R$ 2 mil para quem denunciar casos, e desde ontem já surgiram mais de 129 mil denúncias. As maiores queixas eram sobre carros de som nas ruas, vizinhos barulhentos e casas de shows que insistem em desrespeitar as leis.

Som, sim! Barulho, não!

A cartilha desse programa avisa que, diante do abuso, o prejudicado tente chegar a um acordo com o barulhento. Porém, todos sabemos que pessoas que instalam caixas de som na mala do carro como se fosse discoteca e estacionam na praia, ou em praças públicas fazendo auê, não são, normalmente, individuos abertos ao diálogo. E muito menos é aquele vizinho chegado a uma festa de arromba até altas horas. Na maioria dos casos, só o que os convence a parar é a presença da polícia. E, ainda assim, enquanto está presente, pois basta ela virar à esquina indo embora para que os barulhentos comecem tudo outra vez.

Verdade é que, pessoas que não se incomodam em incomodar os outros, confiam no mesmo elemento que fazem criminosos serem reincidentes: a impunidade. Numa civilização ideal, uma advertência já era o bastante. Mas como não vivemos assim, concordo que para esses 'mal-educados' a multa deva mesmo ser pesada, e de preferência, acompanhada de uma pena alternativa para desestimular a prática.

E não creio que o ministério precise dar prêmios para convencer pessoas sérias a denunciar algo que as incomoda profundamente.

9 Comentários:

Roberto Hyra disse...

Neto

Depois do Bolsa Copa, Bolsa Celular e Bolsa Cabresto é possível que de hoje em diante vejamos de tudo.

Que a barulheira é terrível é, mas pagarem para acabar com isso?... sei não viu!

Irene disse...

olá !!

Aqui, no rio, temos uma lei parecida com essa...a chamada, por nós, de "lei do silêncio".
Acho que essas medidas são muito eficazes e conciliatorias, sim. Canso de ver vizinhos brigando por causa do barulho e, com uma lei para determinar o que pode ou não ser feito, fica tudo muito mais facil de resolver.
Incomodar os outros se tornou uma pratica comum, mas ninguém gosta de ser incomodado....fica, ai, uma defasagem egoística....e uma lei que impõe regras e patamares para o barulho faz com que essa defasagem seja suprida de forma satisfatória.

abraços, neto !

Fábio Mayer disse...

Eu tenho problemas sérios com isso aqui em casa.

Já me ameaçaram de morte por tentar diminuir o som de um imbecil, quando passam aqui em frente aumentam o volume só para me incomodar e volta e meia começam a arruaça de madrugada, sabendo que é quase impossivel que eu consiga contato com a PM.

A única forma de combater isso é PRENDER, MULTAR e PROCESSAR os autores. Não adianta dialogar porque são ignorantes (o retardado que sai por aí tocando sertanejo, axé e pagode em volume insuportável de madrugada é alguém tão burro que não entender argumentação nenhuma).

O que é preciso é que as autoridades deixem de ser omissas e trabalhem: o som alto é crime ambiental, e nas leis ambientais não é preciso decibelímetro para agir como na Lei de Trãnsito, basta o fiscal dizer que o volume é incompatível com o meio ambiente, proceder a denúncia, o processo e a prisão mesmo que temporária.

O idiota que é preso nessas circunstâncias geralmente não volta a cometer o delito, porque custa caro pagar advogado, multa, fiança e recuperar o carro.

Cejunior disse...

A prefeitura de Rio das Ostras, município do litoral do estado do Rio, resolveu apertar esses garotões que ficam para cima e para baixo com o som a todo volume nos seus carros. Resolveu cumprir o Código Nacional de Trânsito e simplesmente apreende os veículos.

Resultado, acabou o baticum automotivo.

Com tanto mal educado por aí, só na base da repressão mesmo.

Um abração.

Daniel Savio disse...

Inlizmente, o dever como cidadão fora esquecido...

Fique com Deus, menino Neto.
Um abraço.

Anônimo disse...

Boa noite senhores;

- Aqui na rua 19, Curado IV, Jaboatão dos Guararapes -Pe. das terça feiras aos domingos não é respeitado a lei do silêncio é uma verdadeira Babylândia, sem hora para começar e acabar os diversos tipos abuso sonoro. Os donos de Bares ou Barracas que vendem bebidas alcoolicas desta rua permitem que seus fregueses liguem seus som de carros na maior altura.
- Esta rua é residencial existem uns 20 blocos residenciais cada um com 32 apartamentos.
- Por favor senhores que governam Jaboatão, venham aqui nestes dias e comprovem o que digo.
- O nº 190 da policia não resolve porque estamos cançados de ligar e eles não vem.
- Nos ajudem...

adelson Morera disse...

Oi anonimo se vc iu alguem q ver esse comentario e morar na rua 19 por favor entre em contato comigo ...preciso encontrar o meu pai q mora nessa rua ..por favor se alguem morar nessa rua e ver entre emcontato comigo 21 68666745

Unknown disse...

Gente pela experiência que estou vivendo eu vejo a seguinte situação: Polícia que deveria atuar com poder que tem para evitar problemas maiores no futuro não age, pois isso não gera lucro, você como assim? respondo o estado só interessa por coisas que de alguma fora gera lucro ou reduz despesa ex. drogras, mas quanto a pertubação cada um que se lasque, e muitas vezes isso acaba em morte ai a polícia vai e prende o cara que já não aguentava mais sofrer com barulho ( o barulho gera doenças e transtorno mental) e pode levar a um cidadão comum matar mesmo, e neste caso acho que o estado é cumprisse por ser omisso. reclamar não adiante a preguiça do estado é maior e só se move por $

joao disse...

E. parece que e so a policia trabalhar. Nos temos ,e nao e de hoje ,a "LEI DO SILENCIO". O numero da lei e,6938 de agosto de 1981.Tudo isso ,sem contar com o serviço de "RADIO DIFUSAO"E proibido emitir som(musica ,falatorio) sem permiçao da LABRE e do DENTEL,e outras autarquias.A mim ,me parece que e so aplicar a lei.

Postar um comentário

- Comente, é sempre bom saber sua opinião.
- Comentários ofensivos ou mal educados não serão publicados.
- Comentários anônimos serão publicados se relevantes.
- Para criticar, sugerir ou elogiar, vá aqui.