Quando terminam os relacionamentos amorosos

Obs. este post é para quem ama de verdade, ou para quem já amou. Se o amor que você diz sentir não é verdadeiro ou é com base em conveniências, não leia este post. Ele não serve para você.

Amor, estranho amor

Sim, há quem duvide do sentimento, mas de fato, os relacionamentos acabam; como um 'destino cruel' se contrapondo à nossa ingênua ideia de história perfeita. Vão-se os anéis – divididos em doze vezes sem juros no cartão – e até os dedos, as cartas de amor, os dentes, o embrulho do primeiro presente, as fotos deletadas do computador ou arrancadas das paredes, o papel do Sonho de Valsa... E o pior nisso tudo é saber que romances rompidos também acabam conosco, de pirraça.

Quando os relacionamentos terminam 'precisamos' cortar os cabelos, mudar as cores dos esmaltes de unha, ressuscitar amizades – como se as outras pessoas fossem coisas ao nosso dispor. Por vários dias ainda vamos querer ver o outro morto, é claro, e desejaremos fortemente que isso aconteça o mais rápido possível, para nos encher de culpa no segundo seguinte até pegarmos o telefone, com o pretexto de confirmar que 'está tudo bem', a praga não pegou. Amantes, somos todos patéticos – alguém não já disse isso? Ex-amantes, infinitas vezes pior.

Aliás, o prefixo "ex" abre vários parênteses em qualquer texto. Não é sempre que aceitamos o outro na condição de "ex" nem aceitamos essa como nossa atual condição. Porque ex sugere algo que não serve mais e, na pior das hipóteses, devemos servir ainda para alguma coisa. Acreditamos não estar preparadas para vê-lo com outras, que não é hora de apagar seu número da agenda telefônica, que podemos continuar frequentando a casa dele (afinal, a-do-ra-mos a ex-cunhada e a ex-sogra)... E nos apegamos a cada bobagem, como se fosse agradável prolongar agonias.

Os relacionamentos terminam mal, melhor não criar ilusões de civilidade. Não é preciso odiar nem cair no simulacro dos melhores amigos. O preciso é dar vazão a lágrimas, pensamentos e sensações que têm de se esvair. E romper logo esse cordão umbilical que nunca existiu, mas, até ontem, era como se existisse. Por mais cruel que isso possa parecer. E triste.

O post de hoje é de autoria da Isolda Herculano. Visitem o blog dela, leiam e assinem, eu recomendo.

4 Comentários:

Pâmela Rodrigues disse...

texto bonito, depois eu passo lá pra visitar a autora.
Ei, Neto, enfim postei no "só-pensando", nossa casa comum.
Mas seu e-mail, eu não recebi.
Beijosssss

Valdeir Almeida disse...

Neto,

Sinceramente, gostei do texto. Mas acho que "a vida após o fim do relacionamento", pode levar a vários caminhos a depender da situação que levou ao término.

Abraços, meu amigo, e bom final de semana.

(desculpe por eu não ter comentado ultimamente, é que estou envolvido na blogagem coletiva e no corre-corre no trabalho).

Eu, Thiago Assis disse...

Com certeza as cartas de amor, as fotos... todas vao embora com a ajuda de uma tesoura bem afiada.

O problema é como lidar com tal quebra de ciclo, o que é beeem complicado pra algumas (muitas) pessoas.

Dificilmente terminam bem, mas concordo que o ódio não precisa ser o sentimento substituto imediato do amor, até pq não dá pra substituir o amor.

Janaina disse...

Cortar papéis,jogar presentes fora,mudar a cor do esmalte e dos cabelos é fácil.Difícil é tirar o que está na cabeça e no coração,beijos.

Postar um comentário

- Comente, é sempre bom saber sua opinião.
- Comentários ofensivos ou mal educados não serão publicados.
- Comentários anônimos serão publicados se relevantes.
- Para criticar, sugerir ou elogiar, vá aqui.