O que fazer para não se tornar um viciado na web

Qual o problema dos Cyberviciados na Net?
Palestra na UFPE sobre os Cyberviciados
Psicólogos e professores da UFPE deram, esta semana, uma palestra sobre o comportamento das pessoas no mundo virtual e nas redes sociais, onde eu tive o prazer de estar presente e assistir.
Falando em relação aos fakes, segundo os psicólogos, a ideia de que o internauta ao criar um perfil falso no Orkut, no Second Life ou no Twitter (apenas para ficar nestes exemplos) estaria criando uma nova personalidade diferente da sua não é verdadeira. Do ponto de vista psicológico não é "uma outra personalidade", mas sim uma continuação da mesma.

Lembrando exclusivamente daqueles que se limitam apenas a viver no mundo virtual e passam mais tempo nela que o normal excedendo-se, os psicólogos afirmam que esse tipo de comportamento do internauta é uma forma de fugir de seus sentimentos e do sofrimento.
Eles disseram: Existe uma certa pressa nas pessoas para saírem do sofrimento, e a web é um campo propício para isso. As pessoas vivem nela fantasias. Lá, elas pensam: "Aqui (no mundo virtual) eu não vou sofrer porque posso deletar a outra pessoa quando quiser".

Dessa forma, elas não entendem que o sofrimento (tanto quanto o prazer) é uma condição da vida humana que precisa ser vivenciada. Sofrer e crescer na dor é o meio de se chegar a uma boa maturidade.

Ao final da palestra, todos perguntaram: e qual seria a solução para os viciados no mundo virtual?
Como resposta, eles foram unânimes e disseram: " não há uma solução imediata. Há alguns passos e atitudes que ao serem tomados podem minimizar a situação, exemplo:
DEIXE O COMPUTADOR DE LADO POR UNS TEMPOS.
OLHE O SOFRIMENTO COM OUTROS OLHOS. E VIVA MAIS A SUA VIDA REAL".

Então, se você está sofrendo de ataques cibernéticos a toda hora, passa noites e noites sem dormir, só consegue pensar em pc, pc e pc e web, web e web... Ficam aí as dicas.

7 Comentários:

Éverton Vidal disse...

Phod�stico mano! fa�o sempre uma "desintoxica�ao virtual". Nao fa�o quando estou viciado rs, fa�o antes disso, quando estou tranquilo, justamente pra net nao acabar com minha tranquilidade.
O texto foi bem esclarecedor, por outro lado gostaria de saber mais sobre esse lance de "uma continua�ao da personalidade".

Abra�os!
Int�

Mariana disse...

Tem que saber a hora de parar, senão a gente fica escravo da telinha.
beijo de bom dia

J. Neto disse...

Salve Everton!
segundo os psicologos "continuação da personalidade" seria uma espécie de valvula adotada pelos internautas para evitar frustração.
Exemplo:
O cara sonhava em ser juiz. Estudou muito pra isso, mas não deu certo. Então entra no Second Life ou Orkut (ou qualquer outra rede social) e monta um perfil falso de juiz lá. Para legislar e fazer exatamente aquilo que não conseguiu na vida real.

Abraços

Mariana disse...

Eu ñ chego a ser viciada em net, mas sinto falta qdo fico sem, parece que falta alguma coisa imprescindível. Será que já sou viciada e ñ sei?
Beijo e boa semana

Júnio disse...

Sabe Neto viver no mundo virtual parece ser tudo bem mais fácil como vc disse qualquer coisa é só deletar e ta tudo encerra.
Nesses tempos modernos as experiências de vida tendem a serem vazias para não se perder tempo compartilhando aprendizado.
Agora dentro do mundo virtual está se inserido o mundo real, pois é bem mais fácil pagar um boleto bancário via net agora se depois disso a pessoa prefere passar mais um tempo lá dentro aí é porque a realidade está uma droga mesmo.
Abraços.

Sergio disse...

Olá, Neto!

Acho que a solução é querer sair do vicio, depois procurar ocupação para a mente, com coisas que goste...curso,esportes..
...Oha vou te pedir para trazer uns cartoes postais de Recife. Uns 5.

Um abraço

Éverton Vidal disse...

J. Neto.

Interessante! Muito interessante mesmo... Valeu pela resposta.

Postar um comentário

- Comente, é sempre bom saber sua opinião.
- Comentários ofensivos ou mal educados não serão publicados.
- Comentários anônimos serão publicados se relevantes.
- Para criticar, sugerir ou elogiar, vá aqui.