CSS é = CPMF: mudou o nome mas a extorsão continua

O Senado Federal e a Câmara estão dando mesmo uma prova cabal de que vivem ali à serviço dos interesses do governo. Mais uma vez ficou evidente que o poder legislativo não tem mais personalidade própria, e existe apenas para aprovar medidas provisórias que lhes chegam do Executivo. Do papel de legislar e de manter um olho vigilante sobre o governo ele já desistiu faz tempo. Esse novo tributo CSS é uma afronta a todos nós, cidadãos e contribuintes.

Paciente em espera no SUS
Sorrateiramente, o presidente Lula confiou ao congresso, a ingrata tarefa de aprovar o CSS: o novo imposto sobre movimentações financeiras semelhante ao extinto CPMF que, supostamente, angariava recursos para a Saúde.

Todos sabemos que a extinta CPMF foi criada como 'provisória', e com a finalidade de canalizar recursos para a área da Saúde, esperando-se que, com estes recursos, o SUS funcionasse melhor, o que nunca ocorreu. Ao longo do tempo, esse imposto de provisório virou 'permanente' e descobriu-se mais tarde que a área de Saúde era a que menos recebia dessa tal contribuição. Agora, ele volta disfarçado como CSS (Contribuição Social da Saúde).

É. O espírito da coisa continua o mesmo. O tributo, por enquanto em 0,10%, incidirá sobre qualquer movimentação financeira e sua arrrecadação anual está calculada em R$ 12 bilhões.

Tudo é lamentável pois, citando exemplos, na Suécia e na Alemanha, o cidadão também paga impostos altos, no entanto, se ele precisa cuidar da saúde, o estado lhe oferece boa assistência, e se ele precisa de escola para seus filhos, o estado lhe proporciona excelente ensino público. Aqui, o contribuinte paga impostos, mas tem de pagar novamente entrando em um plano de saúde para escapar às filas e as greves do SUS. E depois tem que pagar de novo pondo seus filhos em escolas particulares, se deseja colocá-los num mercado de trabalho competitivo e exigente. Esse imposto do governo é mais uma vergonha num país como o nosso.

6 Comentários:

Daniel disse...

Se essas porcarias de impostos fossem realmente parar na saúde, pagaria de bom grado. Deixa pra postar teu texto no Só Pensando, na semana que vêm, já que é a semana de postagem. Átila postou nessa semana pois "deixou passar batido" a semana passada. Um abraço.

http://contesta-acao.blogspot.com

Rogério Martins disse...

Com esta "CSS disfarçada" estamos todos ferrados. E nem adianta pedir ajuda ao bispo.

Valdeir Almeida disse...

Neto,

Muda-se o nome mas a roubalheira é a mesma.

Se fosse como na Suécia, com certeza teria razão de ser esses impostos, mas no Brasil é uma vergonha.

A justificativa é a de que os valores colhidos vão para a saúde? Para onde mesmo, saúde? É só irmos a qualquer hospital público para verificarmos que nossos impostos não estão indo para lá. Os hospitais públicos são uma verdadeira carnificina.

Assim como você, eu também estou indignado.

Abraços e bom final de semana.

Lord disse...

Off Topic

Ola

Em conjunto com o Blog o Mundo by Thaís, estamos lançando uma campanha de protesto virtual para o período de 07 a 20 de setembro.

Gostaríamos muito de contar com a sua participação e a dos seguidores de seu blog.

Esta é uma campanha de todos os brasileiros patriotas e não de um ou outro blog.

A campanha é de todos nós que queremos um país melhor para nossos filhos e netos.

Detalhes em http://omundobythais.blogspot.com/ ou http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/

Divulgue esta idéia.

O Brasil mais do que nunca precisa de você!

A Itinerante - Neiva disse...

Neto,

Ah... Não brinca. Jura que esta p... voltará? Droga!!!

Eles estão cutucando com vara cada vez mais curta.

Beijos

Carlos Emerson Jr. disse...

É uma vergonha! Esse Congresso se esquece ou melhor, ignora o fato que a CPMF foi derrubada porque os eleitores estava fartos de sua cobrança indevida.
Essa gente está dando um tiro no pé!
Um abração.

Postar um comentário

- Comente, é sempre bom saber sua opinião.
- Comentários ofensivos ou mal educados não serão publicados.
- Comentários anônimos serão publicados se relevantes.
- Para criticar, sugerir ou elogiar, vá aqui.